Desativar para: inglês

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Veja dicas para fortalecer e definir os músculos e perder barriga

São necessárias noites de sono reparador, hidratação e cuidados com a postura – quando você se esquece da existência do core, a musculatura que envolve a lombar e o abdômen, tende a andar com a barriga projetada para a frente. Se ainda assim não ficar satisfeita,  para você manter sua melhor forma no verão – e depois! 


Confira:

1- Modere no consumo de alimentos que estufam a barriga
É comum os grãos estufarem a barriga, e os culpados têm nome: aminoácidos sulfurados. “Em contato com bactérias do intestino e substâncias como o óxido de enxofre, responsável pela produção de gases, eles entram em processo de fermentação e atrapalham a digestão”. Pode acontecer o mesmo com algumas verduras.



De duas, uma: suspenda temporariamente esses alimentos ou recorra a algumas manobras dietéticas para evitar que eles inflem o abdômen.

Os causadores do efeito estufa:

Leguminosas: feijões, lentilha e grão-de-bico. Mergulhar esses grãos na água, no mínimo, por oito horas (o ideal são 24 horas) faz com que fermentem menos no organismo. Escorra e cozinhe normalmente.
 
Brássicas: couve-flor, couve-de-bruxelas, couve-manteiga, brócolis, mostarda, nabo, rabanete e repolho. Faça um rodízio entre elas.
 
2- Aposte na drenagem e em massagens
Ambas reforçam a faxina do organismo, além de reduzir o inchaço e estimular a produção de colágeno (proteína que dá sustentação à pele). “Esses tratamentos não queimam a gordura, mas potencializam os efeitos da dieta e dos exercícios.” Então, se possível, encaixe sessões semanais no seu Projeto Verão.

3. Hidrate-se bastante
A água é fundamental para definir os músculos e manter a barriga mais sequinha. Quanto beber: 35 mililitros por cada quilo de peso corporal (se você pesa 60 quilos, consuma no mínimo 2,1 litros por dia).

“Ela é importante para levar os nutrientes para a corrente sanguínea, favorecer a oxidação da gordura [adeus, pneuzinhos!] e a eliminação das toxinas pelos rins [outro ponto a favor de um corpo em forma]”, explica a nutricionista.

4. Inclua proteínas magras no café da manhã
Reserve boa parte dessa refeição às proteínas magras (ovo e suas variações, iogurte, queijo cottage, ricota, tofu, salmão defumado). “Além de saciar mais e de maneira prolongada [você controla melhor a fome ao longo do dia], elas estimulam a síntese proteica – importante para o crescimento e o desenvolvimento muscular”.

Já um café da manhã rico em carboidratos estimula o pâncreas a secretar muita insulina, o que faz com que seu organismo acumule gordura principalmente no abdômen. Sem falar que as bactérias do intestino ficam ainda mais ávidas por esse nutriente – aí, pronto, você pede massa no almoço e ainda come rosquinhas açucaradas no meio da tarde. Resultado: briga eterna com a balança.

5. Evite alimentos pesados no jantar
Coma algo leve à noite. “Refeições muito calóricas perto da hora de dormir são armazenadas na forma de gordura, especialmente quando você não gasta muita energia durante o dia.” Então, nem pensar em pizza ou sorvete nos dias sem treino. Os alimentos mais pesados também atrapalham o sono – e, lembre-se, dormir bem está entre as medidas a favor dos músculos firmes e definidos.

Antes do treino: é bom comer algum carboidrato para proteger os músculos da queima por falta de glicogênio (energia). Ou seja, pode ser uma fruta, como uma laranja, uma maçã ou uma pêra, ou um pão com geleia, por exemplo. Os aminoácidos também são bons e ajudam a diminuir a fadiga muscular, porém a melhor maneira de consumi-los é em cápsulas porque já vêm pré-digeridos – se a pessoa fosse comer uma carne, ela precisaria de 3 horas antes de malhar para fazer efeito.

Durante o treino: o ideal é beber água, de preferência gelada. Os isotônicos só devem ser consumidos, no mínimo, depois de uma hora da atividade física intensa. Uma dica da nutricionista é avaliar se o isotônico é necessário, se pesando na balança antes e depois de se exercitar – se houver perda de mais de 2% do peso, o repositor é preciso; do contrário, somente água ou água de coco já são suficientes.

Depois do treino:
é preciso recuperar o que a pessoa gastou, por isso é importante comer algo logo depois da atividade – geralmente, é melhor que seja um carboidrato, como pão, batata ou geleia ou proteína de rápida absorção, como ovos ou queijo branco, além de beber bastante água.
boaforma.abril


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...